Oficina FAVELAS propõe reflexões e possibilidades de atuação em assentamentos precários


O LAB LAJE, grupo da pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU-USP), realizará entre 20 e 27 de julho a oficina FAVELAS. A ideia é aprofundar o diálogo sobre o tema e compartilhar pesquisas, experiências e inquietações entre técnicos, demais agentes, pós-graduandos e a universitários de diversas formações.

A oficina terá dois momentos: um teórico e um prático:

  • O momento TEÓRICO acontecerá nos dias 20, 21 e 22 de julho, terá 100 vagas disponíveis ao público em geral. Local: Instituto Pólis (Rua Araújo, 124)
  • O momento PRÁTICO acontecerá dos dias 24 à 29 de julho, terá 30 vagas e será restrito a alunos de graduação (a partir do 3º semestre). Local: Jardim Jaqueline*

*A presença no momento TEÓRICO é obrigatória para os alunos inscritos no momento PRÁTICO.

As inscrições podem ser realizadas até dia 3 de julho preenchendo o formulário: https://goo.gl/lo3JGZ

A PROPOSTA
É inegável o reconhecimento da morfologia favela como parte da composição urbana brasileira. Desde o início da luta pela Reforma Urbana, ainda nos anos 60, profissionais de diferentes disciplinas – arquitetos/urbanistas, juristas/advogados, engenheiros civis, assistentes sociais, sociólogos, dentre outros – têm se debruçado sobre as formas de morar da parcela da população mais vulnerável. A autoconstrução, a ocupação irregular (inclusive de áreas que muitas vezes apresentam risco à população), com materiais ou técnicas precárias, são características comuns a milhares de assentamentos brasileiros e ultrapassam o limite do que poderia ser considerado a excepcionalidade das nossas cidades. Mais que uma questão territorial, a favela ainda é reflexo da complexidade e das desigualdades presentes na sociedade.

Apesar dos inúmeros avanços obtidos em termos de legislação, de alteração de paradigmas e de tipos e metodologias de intervenção, a ocupação habitacional precária e informal está longe de estar resolvida, tendo continuado, nos últimos anos, a reprodução, consolidação e densificação deste modelo de habitação. Acreditamos que a efetivação do direito à moradia adequada – reconhecido pela nossa Constituição Federal – passa pela conjugação de ações entre regulação e planejamento urbano sustentável, acessibilidade a um mercado habitacional adequado para a baixa renda, produção social de habitação, mas, sobretudo, pela promoção de melhorias urbanas e habitacionais nesta grande parcela do território já construída.

A oficina é organizada pelo LAB LAJE e pelo GE Favelas, com apoio do Instituto Pólis, LABHAB, LABCidade, IBDU e Revista Contraste.

Mais informações: http://favelaoficina.wix.com/oficinafavelas e evento no Facebook
Dúvidas: favelaoficina@gmail.com